Google+ Followers

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Tempestades, Enchentes, Secas e Tempestades de Novo - nossa triste rotina!



Nem mesmo todo o desenvolvimento moderno evita que as cidades sofram com os impactos dos desastres naturais, em especial, os causados pelos eventos extremos do clima.

Esses eventos estão se tornando comuns e o tema “Mudanças Climáticas” começa a ser inserido no cotidiano da população e na agenda dos formuladores de políticas públicas. Atualmente, à atenção dos especialistas está centrada em minimizar os impactos causados pelos eventos extremos, em especial nos centros urbanos.

Há poucas semanas o tufão Haiyan devastou as Filipinas, deixando milhares de mortos e alguns milhões de desabrigados. Até o momento, muitas localidades estão sob regime de corte marcial, para se evitar os saques e roubos.

O relatório apresentado pela Internal Displacement Monitoring Centre – IDMC (Centro de Monitoramento de Deslocamentos Internos), entidade vinculada ao Conselho de Refugiados da Noruega, informa que durante o ano de 2012, aproximadamente 32,4 milhões de pessoas, em todo o mundo, foram forçadas a deixar suas casas e cidades devido aos desastres naturais como enchentes, ondas de calor, nevascas, tempestades e terremotos (98% relacionados ao clima).

O Brasil deve ter contribuído, significativamente, para que se chegasse a este número de refugiados do clima. Afinal, ano após ano, crescem os casos de secas, enchentes, deslizamentos de morros e encostas, em todos os Estados da Federação.

Quando voltamos nossos olhos para o Espírito Santo, percebemos que nossa realidade pouco difere da brasileira. Para exemplificar, lembramo-nos das enchentes e deslizamentos que ocorreram em Vitória e Vila Velha, neste ano de 2013. Ainda, em maio, um vendaval lembrou as tempestades de areia que acontecem nos desertos.

E agora, nós capixabas estamos vivendo a maior provação dos últimos tempos – enchentes, deslizamentos, rompimentos de barragens, cidades sitiadas, pessoas mortas e milhares de desabrigados.


A boa vontade e a garra do povo capixaba estão a prova. Em poucos dias toneladas de doações de mantimentos, roupas e colchões foram entregues na Praça do Papa, em Vitória, para serem entregues aos desabrigados.


Centenas de bombeiros, de profissionais da Defesa Civil e até o exercito estão espalhados por todo o Estado, para minimizar o sofrimento das vítimas. Este é só o início do monumental esforço de reconstrução de nosso Espírito Santo.


Este 2014 começa com muita luta e agora, mais do que nunca, os dizeres de nossa bandeira será o nosso norte maior:

Trabalhar e Confia – entremeado com um tanto de orações por nossos amigos e conterrâneos.

Walter Batista Júnior
Eng. Agrônomo

3 comentários:

  1. Walter, acompanho você há pelo menos dois anos ou mais. Nem sei como entrei na lista de seus contatos, mas como nada no mundo é por acaso, hj quando me deparei com esta postagem, tinha acabado de escrever meu texto para o jornal da região onde moro, ele ele ficou assim:
    TRAGÉDIA ANUNCIADA
    A história se repete: primeiro como tragédia, depois como farsa. Esta frase foi dita por Karl Marx, e garanto que há muita verdade nisso, principalmente no eterno problema brasileiro no período das chuvas. É sempre o mesmo espetáculo que a mídia faz questão de explorar, que os políticos usam como plataforma política e que o povo nunca usa como lição.
    As enchentes não são exclusividade de cidades grandes e cheias de asfalto que as impermeabilizam, como é o caso da maior cidade brasileira, São Paulo. Algumas delas também não são só o resultado das imensas chuvas que torrencialmente castigam certas regiões nesta época.
    O Brasil tem certas regiões ricas em riachos e rios e na sua geografia exuberante apresenta morros e montanhas que se urbanizam de modo descontrolado, comprimindo a natureza no entorno. Aí então, nos períodos de grandes chuvas surgem as enchentes, mesmo quando elas não são fenômenos avassaladores, elas causam desgraças.
    O processo de urbanização, a construção de ruas, avenidas e praças não respeitam a natureza das águas, não prevêem a possibilidade das cheias. Este processo, quando é pensado, é feito apenas em condições normais. Não se prevê a inconstância da natureza.
    Assim também ocorre com as cidades que crescem pelas encostas dos morros, sem a mínima previsão de que quando a chuva cai, ela precisa de dutos para escorrer morro abaixo com segurança. Antes de se construir em morros e montanhas é preciso criar-se uma estrutura de galerias de águas pluviais, pensando-se no pior.
    Falta visão de futuro. O imediatismo, a falta de planejamento, a imprudência que assola a gestão pública, não planeja com os olhos voltados para o futuro e aí então a tragédia se repete a cada 365 dias e custa caro, muito caro.
    Perdem-se vidas humanas, destrói-se patrimônio privado e público. Corre-se o risco de morrer por doenças infecto contagiosas como a leptospirose, por exemplo.
    A burocracia para alocar-se dinheiro público para municípios e regiões afetadas é incomensurável e promove a corrupção, veja-se o caso do desastre na região serrana do Rio em 2011 e o desvio de verbas federais que levaram à cassação de prefeitos.
    Seria bom desejar Feliz 2014 com soluções mais duradouras para problemas freqüentes. Vamos exigir mais infraestrutura urbana, meio ambiente em equilíbrio e um organismo federal que tenha recursos próprios para auxílio imediato da população para os casos de megadesastres naturais.
    Vamos pensar no nosso futuro.
    um grande abraço, feliz 2014

    ResponderExcluir
  2. Lúcia, um iluminado final de ano para todos os seres
    Estamos passando pelo maior periodo de chuvas do Espírito Santo - desde que se iniciaram os registros meterológicos...
    Mas, mesmo que o atual governador tenha investido muito em capital humano e máquinas, nao conseguiriamos passar ilesos a esta situação. Faltanos cultura para conviver com os desastres naturais ou tecnológicos.
    Agora vou atuar junto a defesa civil municipal para tentar enviar o mais rápido possível os donativos, para os desabrigados no ES.
    Gratidão por sua atenção,
    Wartin

    ResponderExcluir
  3. Walter, boa tarde e peço perdão por ter demorado tanto a ler essa matéria, já que eu sempre leio no mesmo dia em que recebo, envio por e-mail para os amigos e publico nas redes sociais, que é para tentar conscientizar o máximo de pessoas possível. Moro em São Roque do Canaã, uma cidade pequena situada na parte baixa do Vale do Canaã, e passamos, acredito, pelo pior dia de Natal de nossas vidas; toda a cidade foi devastada pela força da correnteza do nosso querido Rio Santa Maria do Rio Doce, que, descendo o Vale e ajuntando toda a água das chuvas que foi encontrando pelo caminho, chegou aqui muito acima do normal. Bem, normal para os dias atuais, porque quando eu era criança, lembro perfeitamente da profundidade e da largura do rio, e de como era muito raro acontecer uma enchente de grandes proporções, e menos ainda de causar tanto estrago. Apenas em 1979 aconteceu uma enchente proporcional a essa, e ainda assim a destruição não chegou nem perto. Porque? Há 34 anos o rio ainda tinha um leito por onde correr e ainda existiam áreas de várzeas para suas águas se espraiarem; hoje nada disso existe mais - não existe vegetação para conter as águas das chuvas; essas levam para o rio toda a terra dos morros que tenha força para carregar, e as várzeas foram todas aterradas para construções diversas, inclusive moradias. Eu entendo que a falta de educação e cultura e a pobreza são responsáveis por isso, e exatamente por isso é que a solução só acontecerá a longuíssimo prazo... ou nunca. Mas a gente sempre tem esperança em dias melhores, então, que venha 2014, e que possamos aprender com as nossas tragédias.
    Um feliz 2014 para você, e que tenha muitos motivos para sorrir e ser feliz.

    ResponderExcluir