Google+ Followers

sábado, 23 de setembro de 2017

A centralidade da água na competição global por recursos estratégicos - Por Monica Bruckman (Crissis Del XXI)

A escassez de água doce, afeta 884 milhões de pessoas ao redor do mundo. Segundo a ONU, o aumento do consumo de água, causada, entre outras razões, pelo crescimento e a mobilidade geográfica da população global, também foram influenciados pelo surgimento de novas necessidades e ao aumento da demanda crescente de energia, faz com que, juntamente com o aquecimento global, levem ao declínio das reservas de água no mundo.

Duas visões opostas estão em estado de choque na disputa global da água. 

A primeira está centrada, com base na lógica da mercantilização desse recurso, a qual pretende transformá-la em uma mercadoria (sujeita a uma política de preços). Este ponto de vista está no Conselho Mundial da Água, composto por representantes das principais empresas privadas de água que dominam 75% do mercado mundial, o seu espaço articular mais dinâmico. O Segundo Fórum Mundial da Água, realizado em 2000, afirmou em seu documento final, que a água não é mais um "direito inalienável", mas uma "necessidade humana". Esta afirmação justifica, do ponto de vista ético, o processo em curso de desregulamentação e privatização deste recurso natural. A última reunião com o nome do IV Fórum Mundial da Água em Istambul, em março de 2009, confirma esta caracterização de água. 

Um aliado importante do Conselho Mundial da Água foi o Banco Mundial, o principal promotor de joint ventures, para gestão local da água público-privada.

A outra visão é reafirmada na consideração da água como um direito humano inalienável. Este ponto de vista é defendido por uma ampla gama de movimentos sociais, ativistas e articuladas em um movimento global para a defesa da água, que propõe a criação de espaços democráticos e transparentes para a discussão dessa questão nos intelectuais de nível global. Este movimento, que não reconhece a legitimidade do Fórum Mundial da Água, desenvolvido uma alternativa para a declaração de reunião de Istambul, exigindo a criação de um espaço de debate global de água sobre os quadros da ONU, reafirmando a necessidade de uma gestão pública este recurso e seu status como direito humano inalienável.

Durante a Assembléia Geral das Nações Unidas, em julho de 2010, foi aprovada a proposta apresentada pela Bolívia e apoiada por outros 33 Estados em declarar o acesso à água potável como um direito humano. Como esperado, os governos dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Reino Unido se opuseram a esta resolução. Estes quatro países, e as forças políticas mais conservadoras aparecer como o maior obstáculo. O perigo para os operadores de água é grande, sem dúvida, um reconhecimento da água e ao saneamento como um direito humano seria limitar os direitos das grandes corporações sobre os recursos hídricos, direitos sob multilateral de comércio e acordos de investimento.

Governos latino-americanos estão em progresso de reconhecimento da água como um direito inalienável e a afirmação da soberania e governança desse recurso. A Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia reconhece, no artigo 371, que "a água é um direito fundamental à vida, sob a soberania do povo", prevê ainda que "o Estado deve promover o uso e o acesso a água com base em princípios de solidariedade, eqüidade, complementaridade, reciprocidade, diversidade e sustentabilidade."

Na verdade, a disputa sobre a propriedade e o controle da água no planeta leva apenas extrapolar dimensões interesses mercantilistas das transnacionais, de pé como um elemento fundamental na geopolítica mundial. É claro que o mundo precisa urgentemente de uma política global para mudar a tendência do complexo processo de desordem ecológica, enquanto acelera a dinâmica de desertificação em algumas regiões, aumenta os fenômenos de inundação resultado de chuvas torrenciais em outras. As consequências devastadoras de degradação ambiental está causando e da gravidade da situação global que tende a aprofundar a discussão colocada sobre a noção de desenvolvimento e civilização.

Aquíferos e preservação dos ecossistemas

De longa data, a pesquisa hidrológica de ciclos globais de água mostraram que 99% da água doce disponível no planeta é encontrada em aquíferos de água doce, visível em rios, lagos e camadas de gelo congeladas. Estas águas são sistemas de água dinâmicos e desenvolver os seus próprios mecanismos de reposição dependentes principalmente das chuvas. Parte do fluxo passa para dentro da rocha subjacente e se deposita sob a superfície, no que é conhecido como aquífero. Aquíferos estão reabastecendo chuvas, por isso eles são em sua maioria renováveis. Dependendo do tamanho e as condições climáticas do local de aquíferos, o período de renovação de dias a semanas (em rochas cársicas) ou entre anos e milhares de anos, no caso das grandes bacias sedimentares.Nas regiões onde a substituição é muito limitada (como em regiões áridas e hiper-árido) os recursos hídricos subterrâneos pode ser considerada como "não-renovável".

Aquíferos e águas subterrâneas que dão forma, fazem parte do ciclo hidrológico, cuja operação determina uma complexa interação com o ambiente. A água subterrânea é um elemento chave em muitos processos geológicos e hidro-químicas, e também têm um papel significativo na reserva ecológica, e manter o fluxo dos rios e são a base de lagos e pântanos, definitivamente impactando nos habitats Água encontrada neles. Portanto, sistemas de água, além de ser importantes reservas de água doce são essenciais para a preservação dos ecossistemas.

Identificação dos sistemas aquíferos é um requisito básico para qualquer política de sustentabilidade e gestão de recursos hídricos que permitem que o sistema continue funcionando, e, do ponto de vista de nossa investigação é imprescindível para uma análise geopolítica que procura destacar elementos estratégico na disputa sobre o controle e propriedade da água.

Como grandes reservas de água na Bacia do Congo, a Amazônia, o aquífero Guarani ou os Grandes Lagos da África Central, de acordo com a existência de grandes populações em expansão e fortes conflitos étnicos e religiosos. Além disso, grande parte dos países da região estão sob forte pressão do sistema financeiro internacional, que visa implementar uma gestão neoliberal dos recursos hídricos através de pessoal técnico para que a estação de tratamento de água, reciclagem e construção de mecanismos que evitam a contaminação dos aquíferos, são gastos desnecessários.

É um processo violento de expropriação e privatização do recurso natural mais importante para a vida. Apesar da centralidade de água potável para consumo humano, também é necessário observar a importância vital deste recurso para a agricultura, o que impacta diretamente a soberania alimentar, e para o processo industrial como um todo.

Os maiores aquíferos da Europa estão na região euro-asiática, com destaque, para o seu tamanho, a região polar mais perto da bacia russa. Europa Ocidental é reduzido ao aqüífero único de tamanho médio, na Bacia de Paris. Em quase todos os casos, as reservas de água na Europa sofrem de problemas que afetam a sua qualidade, o que aumentou drasticamente o consumo de água engarrafada, que se tornou item obrigatório na cesta de consumo das famílias. Sector da água total extraído mais de 50% é utilizado pelos municípios, cerca de 40% vai para a agricultura eo resto é consumido: a Europa teve proporcionalmente maior taxa mundial de extração de água para consumo humano Industrial.

Ásia depende dos principais aquíferos no norte da China e da Sibéria, próximos à região polar. Um dos casos mais graves é o da Índia, que, juntamente com os Estados Unidos tem uma das maiores taxas de extração de água subterrânea do mundo.

América do Sul tem três aquíferos principais: Bacia Amazônica, Bacia do Marañón e do sistema aquífero Guarani, que se parece mais com um "mar subterrâneo" de água doce que se estende por quatro países do Cone Sul: Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai. Pelo volume das reservas destes aquíferos e da capacidade desses sistemas de reposição de água, a América do Sul é o principal reservatório de água doce do planeta.

As regiões mais críticas, tendo uma substituição limitada de água (menos de 5 mm de chuva por ano) são norte da África, na região do deserto do Saara; Índia; Ásia Central; grande parte da Austrália;a faixa de deserto estreito que se estende desde a costa peruana para o Deserto de Atacama, no Chile e na região norte do México e grande parte da região Centro-Oeste os EUA. Nestas regiões, a água pode ser considerado como fonte não renovável. A África Subsaariana, Sudeste Asiático, Europa, dos Balcãs, no norte da Ásia e na região noroeste da América do Norte registrou níveis moderados de reabastecimento de água, entre 50 e 100 mm. ano.

A região de maior reposição de água do mundo é o Sul, onde, na maior parte do território continental, os níveis mais elevados de água de reposição é registrado com 500 mm América. / Ano, que é o principal fator de sistemas aquíferos de abastecimento região. Esta substituição de alta capacidade de águas superficiais e subterrâneas é essencial não só para o fornecimento de água doce, mas também para a manutenção e reprodução dos sistemas ecológicos e da biodiversidade na região.

Original em http://crisisdelxxi.blogspot.com.br/2012/03/la-centralidad-del-agua-en-la-disputa.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário