Google+ Followers

quarta-feira, 21 de junho de 2017

CABALÁ DO MEIO AMBIENTE - Analogias do Nível de Desenvolvimento Mineral (Por ELÍAS SILVA)

2. Analogias do Nível de Desenvolvimento Mineral (Inanimado) com o Homem e Ensinamentos Extraídos:

Para atender aspectos didáticos, o estabelecimento de analogias entre o nível de desenvolvimento inanimado (mineral, meio físico) com o homem será feito por partes, sendo o ar (atmosfera) o primeiro elemento a ser tratado, depois a água (hidrosfera) e finalmente o solo (litosfera). 
Posteriormente, com o intuito de complementar a abordagem, considerarei alguns elementos que se situam fora da Terra (chamados de astros celestes), com destaque para o Sol e a Lua, pois também influenciam o nosso planeta por meio de suas variáveis físicas (abióticas). Também para eles serão estabelecidas analogias com a vida humana.

Ar (Atmosfera): 
De início, é importante entender que o ar atmosférico é uma mistura de gases, vapor de água e partículas suspensas (poeira, fuligem, produtos químicos, entre outros). Os elementos que compõem o ar são essencialmente o nitrogênio (78%) e o oxigênio (21%), e em pequena quantidade argônio (0,94%), gás carbônico (0,03%), neônio (0,0015%), entre outros.

Esse elemento, o ar, nos reserva muitas surpresas em termos de possíveis analogias com os seres humanos. Talvez, pelo fato de ser uma “simples” massa de ar, o que significa algo de natureza abiótica, as pessoas não imaginam quantas relações podem ser estabelecidas com a vida humana. No entanto, como procurarei demonstrar na sequência, a percepção cabalística nos revelará inúmeros paralelos e conseqüentes aprendizados para todos nós, sendo alguns bem curiosos.

Nesses termos, um primeiro paralelo pode ser feito se tomarmos em conta que o ar permite a passagem de luz, tendo, assim, a propriedade de ser translúcido. Isso significa que, apesar de produzir algum grau de distorção na luz que se propaga no meio, ele não se comporta de modo opaco. Desse modo, não inviabiliza a visão dos objetos (a priori não “esconde” nada). Nesse sentido, poderia ser comparado àquelas pessoas verdadeiras e francas, em que o interlocutor percebe claramente suas intenções e o que traz dentro de si (da mente e do coração). De outra parte, em caso de alguma névoa, o ar já não mais permite a visão plena do ambiente, podendo até gerar muitas surpresas, sendo algumas desagradáveis (por exemplo, a pessoa cair num precipício). Não seria o caso das pessoas que a gente nunca sabe bem o que guardam no coração e na mente, ou seja, aquelas que ficamos sempre com o “pé atrás”? Enfim, aqui o ar nos “ensina” a sermos precavidos e cuidadosos, principalmente quando lidarmos com estranhos ou com situações novas!

Na sequência, é interessante perceber algo curioso sobre o ar. Apesar de existir fisicamente, pois tem massa, parece ser um “vazio”, tanto que caminhamos dentro dele e até edificamos (por exemplo, nossa habitação) no espaço que ocupa.  Sendo assim, sob a percepção mística, o ar se comporta como uma “estrada” (local de passagem) e uma “casa” (local de existência). Também “encobre” tudo o que tem na superfície da Terra, como se tivesse a preocupação de proteger, numa ação tipicamente materna. Portanto, um paralelo curioso e intrigante que se pode estabelecer com a vida humana é que o ar tem tripla função em nossas vidas: ser a “estrada” que nos leva à nossa “casa” e onde se encontra a nossa “mãe”. Em termos místicos, entendo ser o compartimento ambiental que nos permite acessar os recursos materiais (aqui representados pela “estrada” e pela “casa”) e emocionais (aqui entendidos na figura da “mãe”) que necessitamos para viver. Por tudo isso, fica claro que o ensinamento aqui implícito é o do respeito que devemos nutrir pelas pessoas, mas notadamente pelas genitoras e por aquelas que nos dão o suporte material para sobreviver!

O fato de o ar ser incolor (sem cor), inodoro (sem cheiro) e insípido (sem gosto) em sua constituição original também é bem ilustrativo, pois pode ser relacionado com as pessoas que percebemos serem “vazias” (não têm “nada” a oferecer ao seu semelhante). Apesar de todas as pessoas terem certamente algum valor, posto serem parte da Criação, é inegável que encontramos, ao longo de nossas vidas, semelhantes ainda carentes de conhecimentos e sabedoria, talvez por sua própria personalidade e/ou por falta de oportunidades. Sendo assim, o aprendizado é claro: deveríamos buscar todo o conhecimento possível e sermos úteis aos outros, para que reconheçam em nós pessoas com valor e com quem valha a pena conviver. Com isso, é natural que cresça o nosso círculo de relacionamento, num processo sinérgico. Enfim, é de se supor que essa situação resulte em maiores oportunidades de trabalho e parcerias profissionais, bem como de relacionamentos afetivos sadios, entre outras possibilidades. 

Já a visão de utilidade do ar pode ser bem compreendida se tomarmos em consideração quatro fenômenos, dentre outros possíveis: o fato de o gás oxigênio ser vital a vários tipos de organismos (principalmente para os animais); a importância do gás carbônico para as plantas no processo fotossintético; a relevância do ozônio nas camadas altas da atmosfera para a retenção de parte dos raios ultravioleta; e a capacidade de gerar energia eólica. Assim, o ar nos “ensina” a sermos úteis aos nossos semelhantes.  A seguir, veja outras situações em que o ar se mostra útil: como elemento que retém a poluição; necessário para a combustão (o oxigênio); e para a propagação do som.

De outra parte, o ar também tem o seu lado “negativo”, numa demonstração de que tem duas facetas, tal como aquelas pessoas de dupla personalidade. Vejamos: pode gerar erosão eólica, com o conseqüente empobrecimento do solo (perda de fertilidade), assim como o ressecamento de terrenos pela passagem do vento. Há também casos extremos dessa faceta negativa, representados por diferentes nomenclaturas utilizadas pelos meteorologistas, como por exemplo, furacão, tufão, tornado e ciclone.  Portanto, a lição que se pode extrair daqui seria: sermos cuidadosos no trato com pessoas de reconhecida dupla personalidade, pois normalmente se mostram dúbias e volúveis.  Na prática, são as chamadas pessoas “difíceis”. Sendo assim, se pudermos, deveríamos ajudá-las a superar essa dificuldade natural de relacionamento, porque isso trará benefícios a todos.

No que tange particularmente ao vento, que conceitualmente é o deslocamento de massas de ar, é também possível extrair ensinamentos. Talvez o mais importante esteja ligado ao fato de que se trata de um “viajante” sem rumo, pois se desloca de um ponto a outro por influência de algo (pela diferença de pressão atmosférica e de temperatura das massas de ar e pelos movimentos naturais da Terra – rotação e translação). Não seria a situação das pessoas que “batem cabeça” a vida inteira, na medida em que nunca se contentam com o que têm, ademais de estarem sempre em busca de algo que não encontram? Enfim, o vento muda constantemente de direção como certas pessoas na vida, em termos de foco no trabalho, prioridades na vida, prazeres do cotidiano, amores etc. Na prática, são aquelas pessoas conhecidas por não serem centradas, mas inseguras. Nesses termos, é certo que o ar (pela consideração do vento) está a nos “ensinar”, de modo inverso, a sermos centrados e definirmos com clareza o que queremos, exatamente para que tenhamos uma vida profícua.  Isso evidentemente não significa que a pessoa deva sempre fazer as coisas do mesmo modo, ou seja, viver de forma “engessada”. O próprio vento, ao se deslocar, numa demonstração do seu lado “positivo”, nos “ensina” a sermos dinâmicos e a conhecer novos horizontes! Enfim, ao conhecer novas realidades, há obviamente a possibilidade de a pessoa mudar de opinião e de atitude, desde que julgue adequado.

Ainda no campo da abordagem sobre o vento, um ponto sutil diz respeito à brisa (vento leve e fresco que sopra do mar). A sensação é parecida com aquela que certamente todos nós já experimentamos, enfim, com o prazer sentido quando uma pessoa nos acaricia a face ou nos faz um cafuné. É bem provável que seja a maneira mais “educada” e “gentil” do vento, enquanto “mensageiro” de Deus, de se manifestar ao homem e lhe passar “ensinamentos”. Entendo que o ensinamento se relaciona com aquelas pessoas que nos acalmam e nos apóiam em momentos difíceis. Como bem sabemos, às vezes essas pessoas não precisam verbalizar nada, mas só o fato de nos acariciarem a face, já nos passam a sensação de alívio e de que não estamos sozinhos. Enfim, deveríamos valorizá-las enquanto vivas e retribuí-las também com a mesma atenção e carinho.

Como última abordagem sobre o ar, é interessante contextualizar que o principal problema ambiental hoje, de ordem planetária, se relaciona com ele, qual seja, o efeito estufa, que, como se sabe, é causado pelo aumento crescente de certos gases (principalmente o gás carbônico) na atmosfera, o que acaba aumentando progressivamente a temperatura ambiente. Vale entender que essa situação está sendo provocada pela ação humana, não sendo, portanto, um fenômeno natural, tal como poderá um dia ocorrer, se tomada em conta a dinâmica da Terra. Portanto, o ar não é “culpado” de nada! Sendo assim, sob a perspectiva cabalística, essa situação poderia ser relacionada com aquelas pessoas que têm a capacidade de “estragar” as outras. Isso normalmente se dá por maus conselhos ou por influenciar com maledicências e comportamentos reprováveis pessoas com personalidades ainda em formação (muito influenciáveis). Não seria o caso de certos jovens que entram no mundo degradante da droga por influência de “amigos”? Portanto, o ensinamento aqui se conecta com a preocupação de sermos bondosos e eliminarmos o mal de nossas vidas, a fim de não “estragarmos” os outros. Ademais, em termos redobrados cuidados com aquelas pessoas que percebemos não serem adequadas ao nosso convívio. 

Água (Hidrosfera): 
Apesar de sua “simplicidade” química, pelo fato de possuir apenas dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, a água também nos reserva muitas surpresas em termos de possibilidades de paralelos com a vida humana, tal como se verificou quando da abordagem sobre o ar.
De modo similar ao ar, em sua constituição original é incolor, inodora e insípida, o que sinaliza para o caso daquelas pessoas que percebemos serem “vazias” (não têm “nada” a oferecer ao seu semelhante). Como visto, isso foi relacionado à própria personalidade da pessoa e/ou à falta de oportunidades na vida, enquanto o aprendizado ficou estabelecido da seguinte maneira: deveríamos buscar todo o conhecimento possível e sermos úteis aos outros, para que reconheçam em nós pessoas com valor e com quem valha a pena conviver. Se agirmos assim, é de se supor que haverá o crescimento do nosso círculo de relacionamento (maiores oportunidades de trabalho e parcerias profissionais, bem como de relacionamentos afetivos sadios, entre outras possibilidades), num processo sinérgico.

A condição de solvente universal, em que “absorve” e “esconde” (“domina”) o soluto, pode ser relacionada com pessoas reconhecidamente envolventes e que parecem “dominar” os outros. Essa característica é comum em certos políticos e em outras pessoas que têm o chamado “dom da palavra”. Enfim, é algo que pode pender para o lado bom ou mau, a depender da intenção da pessoa envolvente. Portanto, o aprendizado se refere a sermos cuidadosos com essas pessoas, para que possamos primeiramente identificar as suas reais intenções e, desse modo, percebermos de que maneira deveríamos agir. 

A visão de utilidade da água é mais bem percebida quando a Ciência nos indica que cerca de 70% do corpo humano é constituído dela.   Dentre outras utilidades para nós, destaco ainda as seguintes: consumo humano (beber, cozinhar alimentos, se lavar etc.), dessedentação animal, piscicultura, irrigação e energia hidroelétrica.  Assim, a água nos “ensina” a sermos úteis aos nossos semelhantes. 

A capacidade de mudar de estado (líquido, sólido e gasoso) é algo bem interessante de se considerar, pois tem forte conotação mística. Significa no paralelo com o ser humano aquelas pessoas volúveis, ou seja, que apresentam instabilidade de comportamento (provavelmente pela dupla personalidade). Na prática, são aquelas pessoas que você “nunca” sabe como vai encontrá-la. Sob essa condição, a lição que se pode extrair daqui seria: sermos cuidadosos no trato com pessoas de reconhecida dupla personalidade, pois normalmente se mostram instáveis emocionalmente.

O mesmo raciocínio do parágrafo anterior vale para a dicotomia água doce ou salgada, posto que uma pode se transformar na outra naturalmente. Todavia, nesse particular entendo que há um ensinamento menos voltado para o caso relacionado com pessoas volúveis, mas sim para a necessidade de sermos práticos na vida. Vejamos: não é verdade que em certas situações precisamos ser “doces” (brandos, compreensivos), mas em outras “salgadas” (categóricos, francos)? De modo similar, tem-se o caso da água superficial ou subterrânea: no primeiro, precisamos “mostrar a cara” (ir de encontro ao que necessitamos, enfim sermos proativos), porém no outro precisamos nos preservar (“esconder”), a fim de não nos prejudicarmos (sermos ingênuos).

Também podemos pensar como o relatado acima, quando encontrarmos (ou nos comportarmos como) águas (entenda-se pessoas) “calmas” (neves “eternas” em picos de grande altitude) ou “agitadas” (na forma de maremotos e tsunamis, conforme a terminologia adotada, apesar de ser o mesmo fenômeno, além de enxurradas). Para cada situação, ou seja, na calma ou na agitação, o aprendizado é refletir sobre o nosso comportamento; enfim se justifica ou não agir desse modo, fazendo as correções cabíveis.

O fato de a água ser encontrada em estado corrente (comportamento hidrológico lótico) ou estável (lêntico) indica que existem dois tipos básicos de pessoas (duas naturezas comportamentais). O primeiro caso se refere a pessoas ativas e inquietas, exatamente pelo “movimento” natural delas em busca do desejado (em termos hidrológicos, sair de montante e ir à jusante), enquanto o outro abrange os calmos e os serenos. Como se pode imaginar, sob esse contexto, não existe uma natureza certa ou errada, pois isso depende da personalidade de cada um e de qual momento a pessoa está vivenciando. Em alguns desses, é evidente que haverá necessidade de sermos mais ativos ou não. Sendo assim, é interessante extrairmos o seguinte ensinamento: procure se conhecer bem (reflita bastante sobre você e seus atos) para saber se está se comportando adequadamente em termos da dinâmica que aquele momento está a exigir.  Após isso, se necessário, faça as correções cabíveis, no sentido de se tornar uma pessoa melhor (para você e para os outros).

A questão da tensão superficial da água também é muito interessante. Trata-se de um fenômeno físico que resulta no surgimento de uma membrana elástica na camada superficial do líquido. Esta propriedade é causada pelas forças de coesão entre moléculas semelhantes, cuja resultante vetorial é diferente na interface. Exatamente por essa situação que um inseto pode caminhar sobre a água.  Sendo assim, fica claro que a água se “protege” do ar ao seu redor, como se “dissesse não quero me misturar com você”. Ora, o ensinamento aqui é o seguinte: precisamos ter proteção de certos fatores externos (por exemplo, de algumas pessoas com má inclinação moral), a fim de mantermos a nossa individualidade (subentendida como sadia). Como isso é impossível na prática, pois vivemos num mundo em que interagimos com os outros, a água novamente nos “ensina”, ou seja, em algum momento ela evapora (vai para o ar) e deixa de ser líquido, o que nos remete a pensar sobre a importância de sermos flexíveis em certas situações, desde que isso traga nos traga benefícios morais. Enfim, é sábio manter a individualidade, mas é mais sábio ainda a enriquecermos com bons conselhos e exemplos alheios.

Bastante interessante e com clara conotação mística é o fato de a água formar um espelho. Repare: ela não pode se “ver” nesse espelho e, consequentemente, se “admirar”, mas “oferece” essa possibilidade aos seres vivos, num ato de grande generosidade. É claramente o caso das pessoas altruístas! Assim, o ensinamento seria: admirar e respeitar profundamente esse tipo de pessoa, bem como ajudá-la o quanto possível, pois o altruísmo é a essência do nosso Criador, como já explicado nesse ensaio.

Para finalizar a abordagem sobre a água, trarei agora algo bem curioso e com profunda marca cabalística. Refere-se ao fato da água sempre se direcionar aos pontos mais baixos do terreno, haja vista o fenômeno da gravidade. De outra parte, é verdade que ela também pode ascender pelo efeito da evaporação ou da capilaridade. Assim, no primeiro caso se mostra “humilde” (se coloca abaixo), mas no outro se torna “altiva” (busca o alto). O que se quer dizer é que a água tende a ter comportamento dúbio, tal como mostrado em itens anteriores (líquido, gasoso ou sólido; lótico ou lêntico; doce ou salgada), indicando, desse modo, o paralelo com aquelas pessoas de dupla personalidade. Robustece ainda mais esse argumento, a consideração da dicotomia que a água (nesse particular da que se precipita pluviometricamente) assume quando irriga o solo para produzir alimento (seu lado positivo) ou quando provoca deslizamentos de encostas e soterramento de casas e pessoas (seu lado negativo). Como já demonstrado, o ensinamento para este caso é o de sermos cuidadosos com pessoas que tenham dupla personalidade, pois normalmente se mostram instáveis emocionalmente.

Solo (Litosfera): 
O primeiro ponto a ser tratado sobre o solo diz respeito à sua definição agronômica, qual seja, que resulta do processo de intemperização das rochas, sendo também o local onde as plantas terrestres se fixam e retiram seus nutrientes. Esse será o conceito aqui adotado, sem prejuízo obviamente da compreensão de que o solo pode apoiar edificações, entre outros itens em que esteja presente.

Com base no explicitado, percebe-se já a primeira conotação cabalística que o solo possui: apesar de ser moldável (se origina da rocha desgastada pelas intempéries), oferece alta resistência para que isso ocorra (leva-se muito tempo para a rocha se transformar em solo; normalmente milhares de anos). Portanto, cabalisticamente esse fato pode estar relacionado com pessoas que apresentam opiniões e posicionamentos radicais (intransigentes, turrões), exigindo, quase sempre, muito tempo para entenderem e aceitarem certos fatos. Em muitos casos, há real possibilidade disso se transformar em intolerância de todos os tipos. Nesses termos, o ensinamento seria: fazer um exame pessoal para verificar se temos esse tipo de tendência, corrigindo os excessos, já que essa forma de viver pode ferir os outros e nos trazer graves conseqüências, inclusive de ordem física e emocional, sem contar a perda de oportunidades profissionais e pessoais (amizades e amores).

Paradoxalmente ao item anterior, em que a relação do solo se deu com pessoas intransigentes, agora ele se mostra aberto ao outro, na medida em que é poroso e não maciço. No caso, essa porosidade pode ser entendida como a capacidade de receber e “aceitar” o outro (a água adentrando no solo). No entanto, essa capacidade atinge o seu limite quando o solo se encharca. Essa situação nos permite relacionar o solo com pessoas capazes de ouvir e acatar opiniões alheias, mas até o ponto do aceitável. Então, o ensinamento aqui contido se refere a respeitar a opinião dos outros e eventualmente aceitá-la, porém desde que isso esteja afinado com os bons valores éticos e morais.

A porosidade mencionada no parágrafo anterior nos remete ao fato de que o solo pode armazenar água, por conta primeiramente da infiltração e depois da percolação, até chegar ao lençol freático. Assim, tem a capacidade de “esconder” algo. Isso se relaciona com as pessoas introspectivas e que “guardam” tudo para si. A lição a ser extraída daqui seria: observarmos bem os nossos semelhantes e nos esforçarmos para “extrairmos” deles aquilo que precisam exteriorizar (notadamente conhecimentos e sentimentos), para o seu próprio benefício e dos outros. Afinal, a introspecção pode levar a pessoa ao isolamento social, com perdas óbvias de oportunidades em todos os sentidos.    

O fato de se ver normalmente apenas a sua superfície e raramente o subsolo, nos faz inferir que esse elemento ambiental possui seus “segredos”. Afinal, é possível se encontrar grandes “pedras” (a rocha ainda a ser intemperizada) abaixo de uma estreita camada de solo, o que se denomina agronomicamente de litossolo. Sendo assim, é possível relacionar esse aspecto com pessoas enigmáticas e também introspectivas. Isso se deve ao fato de que elas podem nos reservar surpresas, algumas inclusive desagradáveis. Portanto, o ensinamento a ser obtido do considerado é o mesmo do parágrafo anterior.

Como se sabe, o solo é o sustentáculo das plantas terrestres e de tudo que se edifica sobre ele. Portanto, o solo nos ensina aqui que precisamos ter apoio e alicerce na vida, para suportarmos as dificuldades inerentes à existência humana. Enfim, nos permite perceber que a família é esse apoio e alicerce e que devemos resguardá-la. O fato do solo também ter o papel de nutrir as plantas com minerais nos reserva o ensinamento de que a família é nossa abastecedora de alimentos (quantas despesas tiveram os nossos pais com a nossa alimentação, entre outros itens necessários à nossa sobrevivência!) e de sentimentos.

Como já percebido, o solo se mostra útil em várias situações. Destacaremos aqui as seguintes: ser a base e a fonte de nutrientes minerais para as plantas terrestres; apoio para edificações; superfície por onde as pessoas normalmente transitam; abrigo para diferentes tipos de animais, entre eles répteis, aves e mamíferos; e local de recepção de corpos humanos (sepulturas). Em relação ao último item, é interessante perceber que o solo é a nossa última “morada”, algo com grande conotação cabalística. Enfim, aprendemos aqui a sermos úteis aos nossos semelhantes e a reconhecermos o solo como elemento ambiental de grande valor místico, pois foi escolhido por Deus para nos receber quando a vida física cessar.  Reforça-se essa importância, pois na Torah se diz claramente que o homem veio do pó (do “barro”, da “terra”) e a ele voltará (Bereshit 3:19, que é o Livro de Gênesis).

Dada a capacidade de ser cultivado e produzir alimentos, o solo é normalmente chamado de “mãe terra”, ou seja, com o sentido de “seio” feminino, por ser provedor de vida (figurativamente o leite materno). Portanto, é mais uma demonstração de sua utilidade e importância para a humanidade. Vale então o ensinamento de sermos úteis aos nossos semelhantes. 

Por outro lado, quando o solo for entendido de modo mais amplo (a litosfera), ele pode nos reservar surpresas desagradáveis, como por exemplo, quando se manifestar por terremoto, erupção vulcânica e deslizamento de terra (encosta). Tal como mostrado em situações anteriores, o aprendizado a ser extraído daqui se relaciona ao caso das pessoas de dupla personalidade (volúveis). Assim, a lição que se pode extrair seria: sermos cuidadosos no trato com pessoas de reconhecida dupla personalidade, pois normalmente se mostram instáveis emocionalmente.

Astros Celestes: 
É importante contextualizar que os corpos celestes interferem no nosso planeta por meio de variáveis físicas (abióticas). Assim, considerada a dinâmica da Natureza na Terra, é evidente que isso gerará também influências de ordem biótica e antrópica.

Sem a preocupação de se estender, vejamos primeiramente o caso do Sol: enquanto nossa fonte primária de energia, e por meio de sua radiação eletromagnética (variável física), desencadeia uma série de reações na Terra, dentre elas a que permite o processo fotossintético. Já a Lua, ninguém desconhece a sua influência nas marés, pela força gravitacional (parâmetro físico) que exerce sobre a Terra. Outro caso também da maior relevância e que se menciona ter ocorrido a cerca de 65 milhões de anos atrás (algo dessa proporção poderá se repetir? se ocorreu uma vez, por que não, se considerada a imensidão do Universo?), se refere à teoria mais aceita pela Ciência para explicar a extinção dos dinossauros, enfim, a que menciona o choque de um asteróide com aproximadamente 10 quilômetros de diâmetro com a superfície da Terra, gerando uma explosão (fenômeno físico, pelo impacto resultante do contato de duas superfícies) equivalente a 100 trilhões de toneladas de TNT (trinitrotolueno).

Portanto, com isso em mente, deve-se aceitar que a percepção de meio ambiente precisa ser ampliada, não podendo se restringir às condições e influências internas do planeta, o que implica dizer que necessita envolver também as interferências externas (causadas pelo resto do Universo, por meio do Sol, da Lua, dos asteróides, dos cometas, dos meteoros, dos meteoritos etc.).  

Desse modo, entendo que a melhor analogia que se possa fazer com a vida humana, se tomada em consideração à relação dos astros celestes com a Terra, é a de que pessoas de fora do nosso convívio habitual (às vezes muito distantes fisicamente) poderão exercer muita influência na formação do nosso caráter e, por consequência, no modo pelo qual vamos agir na vida.  Isso é fácil de comprovar, se pensarmos nas possibilidades que temos à mão com a internet, como por exemplo, a influência que uma palestra veiculada pelo Youtube pode exercer na vida de uma pessoa. Enfim, é algo que pode ter influências benéficas (assistir uma aula do seu professor na internet) ou maléficas (montar um perfil falso na internet e assediar crianças). Enfim, o ensinamento aqui é bem claro: é preciso ser vigilante com o que nos chega pelos diferentes tipos de comunicação disponíveis no mundo atual (internet, televisão, rádio etc.), pois há muito “lixo”.   Maior importância isso assume, quando percebermos que esse “lixo” poderá chegar às nossas crianças ou àqueles sob os quais temos responsabilidades.

Continua no próximo post.






Professor Titular ELIAS SILVA*

* Engenheiro Florestal, Mestre e Doutor em Ciência Florestal pela Universidade Federal de Viçosa (UFV)
* Especialista em Pesquisa e Fomento Regional e Empresarial da Atividade Agropecuária pelo Centro de Cooperação Internacional (CINADCO/Shefayim) do Ministério das Relações Exteriores do Estado de Israel (MASHAV)
* Membro do Clube Shalom do Brasil

Um comentário:

  1. Gostei da proposta mas não entendi muito bem essas analogias como auxiliar no processo evolutivo. Grato pelo texto.

    ResponderExcluir